Voltz chega a BH com expectativa de vendas otimista

Localizada em região nobre, na Savassi, loja conceito da marca recebe investimentos de R$ 520 mil.

Luís Otávio Pires | 05/11/2021

Belo Horizonte acaba de ganhar uma loja da Voltz, que se autointitula empresa de tecnologia com foco no segmento de mobilidade urbana. Na verdade, é uma marca de motocicletas elétricas. Elas são montadas em Cabo Santo Agostinho, em Pernambuco, com peças importadas da China, mas ainda neste ano terá uma fábrica de verdade em Manaus (AM), que receberá investimentos de R$ 54 milhões.

A unidade da capital mineira é o que a empresa chama de loja conceito, fica na Savassi e segue um padrão estipulado pela Voltz. Aqui tem projeto da JP Arquitetura, com sede em Brasília. São 420 m2 de área e sete funcionários. Recebeu aporte de R$ 520 mil da própria Voltz, que é dona da operação local. 

O diretor responsável pela estratégia de expansão e desenvolvimento do canal de vendas de todas as lojas próprias da marca, André Turton, revela que a expectativa de vendas em 2021 para BH são 100 motos no mês, fechando 2021 com 500 unidades comercializadas. 

“Estamos num momento de transição da matriz energética de motos a combustão para motos elétricas, portanto acreditamos que o tamanho do mercado de elétrico é igual ao tamanho da frota de BH que, em 2021, é de 280 mil motos”, afirma o executivo.

Apesar de existir uma loja física, as vendas da Voltz são feitas 100% pela internet. O showroom serve mesmo para que o cliente conheça o produto, o experimente e depois vai para o teclado, a fim de fechar o negócio de vez. 

A Voltz está estruturando pontos de recarga no País, contudo BH ainda não possui esses locais predefinidos, o que deve acontecer apenas em 2022. Atualmente, a empresa produz dois tipos de motos elétricas: a EV1 Sport, que custa R$ 14.990,00; e a EVS, a R$ 19.990,00.

Com a instalação da fábrica no Polo Industrial de Manaus, no Amazonas, a Voltz acredita que irá conseguir reduzir significativamente os impostos de importação, já que há incentivos fiscais da Zona Franca. Além disso, a fábrica deve trazer agilidade de logística. 

Serão fabricadas na unidade diversas peças das motos, do pedal de apoios e retrovisores até pastilhas e discos de freios, com capacidade inicial de 50 mil veículos por ano e geração de 200 novos postos de trabalho.

FOTOS / Divulgação JC / Voltz