Segurança com tecnologia

Empresário afirma que a eficiência das novas soluções e ferramentas proporciona oportunidades de aprimorar a capacidade de proteção pessoal e do patrimônio.

Da Redação | 03/09/2021

Com as novas demandas surgidas em decorrência da pandemia, a procura por soluções de segurança eletrônica aumentou 40% no Brasil, em 2020, segundo pesquisa da Associação Brasileira das Empresas de Segurança Eletrônica (ABESE). Dentro deste cenário, a busca pela portaria virtual – serviço que permite o atendimento em condomínios e empresas à distância – teve um crescimento de 20%.

Segundo o fundador e CEO do Grupo Anjos da Guarda, Afonso Oliveira – que está no mercado há mais de 30 anos -, um dos fatores que justifica essa expansão é o investimento significativo na ampliação da tecnologia à disposição dos clientes, além da necessidade de evitar interações dentro desses locais, de acordo com os novos protocolos sanitários.

Nesta entrevista ao JORNAL DA CIDADE, o empresário mostra os benefícios trazidos pela tecnologia a serviço da segurança e os novos desafios do setor.

Nos últimos tempos a tecnologia tem sido uma grande aliada no setor de segurança. Como isso traz benefícios para os clientes? 

A tecnologia melhora a eficiência dos processos e proporciona oportunidades de aprimorar a capacidade de proteção pessoal e do patrimônio. Há uma série de equipamentos e soluções que são lançadas constantemente. É o papel do profissional especializado na área de segurança analisar as especificidades do cenário de cada cliente e propor soluções personalizadas. Hoje existe tecnologia para realizar monitoramento 24h, em tempo real, proporcionando rápida detecção de ocorrências e pronta resposta. Dentro desse processo se destaca a Portaria Ativa, que é um sistema de controle de acesso vinculada a uma central de operações, proporcionando maior segurança.

A pandemia afetou o setor? Como enfrentou essa crise? 

O segmento de segurança privada, assim como qualquer outro, teve que se adaptar à nova realidade usando a tecnologia como aliada. Integrar processos, trabalhar a mudança cultural e oferecer soluções cada vez mais customizadas conforme as necessidades dos clientes foi um dos caminhos para mitigar os impactos causados pela pandemia. No nosso caso, desenvolvemos, no primeiro trimestre de 2020, um amplo estudo sobre as possíveis rupturas na nossa cadeia de fornecedores de insumos e equipamentos, estabelecendo protocolos para diminuir exposições e falhas. Reuniões constantes com todos os gestores para validar os estudos e análises. Este levantamento e os ajustes implementados foram fundamentais para que nos mantivéssemos plenamente em operação e até apresentado um significativo crescimento durante a pandemia.

O que é necessário para se tornar um vigilante e o que a sua empresa oferece para essa formação?

Para exercer a função de vigilante é obrigatório ser formado no curso de formação de vigilante, em escolas credenciadas pela Polícia Federal. Junto ao curso, periodicamente, os vigilantes são submetidos a avaliações médicas e psicológicas e cursos de reciclagens, o que os torna qualificados para lidar com situações que venham a representar ameaças ao patrimônio e à vida das pessoas. Nós optamos por treinamentos extras de forma a integrar nossa equipe às demandas existentes e à realidade dos riscos presentes em nossas diversas operações. Um exemplo disso é a Universidade Corporativa Anjos da Guarda. Criada para atender aos funcionários e seus familiares, a plataforma de ensino digital conta com cursos de extensão em diversas áreas, como saúde, tecnologia, qualidade de vida, empregabilidade e outras. Acreditamos que empresas que oferecem essa oportunidade aos colaboradores obtêm um engajamento maior deles, inclusive incentivando o exercício da cidadania, o que resulta em boas práticas, com grande ênfase na ética nos relacionamentos, sejam eles pessoais ou profissionais.

Qual a expectativa de crescimento para este ano?

Nossos indicadores de novos negócios estão sendo atualizados, em virtude de operações robustas implantadas no primeiro semestre de 2021. Acreditamos que o ano se consolide com o crescimento da ordem de 45% sobre o ano anterior.

Foto: Divulgação JC / Anjos da Guarda