Safra 2021 deve superar o recorde atingido em 2020

A soja e o milho deverão ser os grandes recordistas da produção de cereais.

Da Redação | 11/02/2021

O setor agrícola tem colecionado bons resultados nos últimos meses e dessa vez a safra nacional de grãos para 2021, cujos prognósticos já vinham indicando novo recorde, teve mais uma alta de estimativa. De acordo com as primeiras analises o valor deve atingir 262,2 milhões de toneladas, ficando 3,2% acima da produção de 2020 (254,1 milhões de toneladas), que já havia sido a mais alta da série histórica do IBGE.

A soja e o milho deverão ser os grandes recordistas da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas no país. Já o algodão, que vinha alcançando recordes por três anos seguidos, deve ter redução de 16,5% em relação a 2020.

As informações são do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado hoje (11), pelo IBGE. De acordo com o gerente da pesquisa, Carlos Barradas, a produção de algodão vinha crescendo para atender a demanda internacional, mas, com a pandemia da covid-19, as quedas no setor de vestuário refletiram em uma menor procura por esse produto, influenciando na decisão de plantio da próxima safra.

“Na atual safra, o plantio da soja atrasou devido à escassez de chuvas em algumas regiões e, como grande parte das áreas de algodão são plantadas depois da colheita da soja, na segunda safra, é provável que os produtores reduzam a área plantada com o objetivo de minimizar o risco climático. Além disso, os excelentes preços alcançados pelo milho e sua forte demanda, devem influenciar a decisão dos produtores, no sentido de substituir o algodão pelo cereal, que possui um menor custo de produção e maior facilidade de comercialização”, avalia Barradas.

O milho, em relação à última informação (dezembro), teve sua estimativa de produção elevada em 2,0%, totalizando 103,7 milhões de toneladas, recorde da série histórica do IBGE. Em relação ao ano anterior, a produção deve ser 0,4% e a área a ser colhida 3,2% maiores. A primeira safra deve participar com 25,3% da produção brasileira de 2020 e, a segunda, com 74,7%.

“As exportações brasileiras de milho têm aumentado nos últimos anos, o que, junto à desvalorização cambial do Real, faz com que o produto aumente de preço no mercado interno, já que a oferta não é tão alta. Como a demanda interna pelo cereal continua elevada, em decorrência do maior consumo do complexo de produção de carne suína e de aves, bem como o da produção de ovos de galinha, os preços do produto devem continuar elevados. Algumas usinas de produção de álcool, a partir do milho, também estão sendo instaladas na região Centro-Oeste, o que tem elevado a demanda pelo cereal”, comenta Carlos Barradas.

E a estimativa da produção da soja foi de 130,3 milhões de toneladas, subindo 0,4% em relação ao mês anterior e 7,2% frente à safra de 2020, atingindo novo recorde na série histórica do IBGE.

O Mato Grosso é o maior produtor brasileiro de soja e a falta de chuvas no estado não só provocou o atraso no plantio como até a necessidade de replantio em algumas áreas. Mas, mesmo assim, a produção local foi estimada em 34,6 milhões de toneladas, que representa 26,6% do total nacional de soja a ser colhida em 2021.

“Além disso, na região Sul, as lavouras do Paraná e Rio Grande do Sul sofreram com a escassez de chuvas até novembro, o que pode resultar em declínio da produtividade. Contudo, a partir de dezembro, houve retorno das chuvas e as informações são de uma boa recuperação das lavouras”, acrescenta Barradas.

Em relação a dezembro, houve aumentos nas estimativas da produção do feijão 2ª safra (21,5%), da batata-inglesa 2ª safra (5,4%), do cacau (4,4%), do milho de 2ª safra (2,9%), do tomate (2,0%), do feijão de terceira safra (1,6%), da soja (0,4%), do arroz (0,2%) e do café canéfora (0,1%). Por outro lado, houve declínios nas estimativas da produção da batata-inglesa 1ª safra (-0,5%), do milho 1ª safra (-0,6%), do feijão 1ª safra (-0,8%), do sorgo(-1,5%), do algodão herbáceo (-2,8%), e do café arábica (-11,1%).

As regiões Sul (13,3%) e Nordeste (0,4%) aumentaram suas estimativas de produção, enquanto Centro-Oeste (-1,1%), Sudeste (-0,7%) e a Norte (-2,1%) reduziram.

Confira outras notícias (aqui)

Fonte: IBGE MG Informa

Mais Notícias