Quando se fala em sustentabilidade, o que vem na sua cabeça?

Tenha total respeito pela sua alimentação e necessidades do seu organismo. Pense sempre nos alimentos que irão compor a refeição em substituição à carne.

Junia Bethonico | 28/12/2020

Usar menos plástico, reciclar materiais, usar a água de forma mais consciente, preservar os recursos naturais, comprar produtos ecologicamente corretos, evitar desperdícios… Sim! Existem várias maneiras de ser mais sustentável e de pensar no planeta com responsabilidade e cuidado.

Apesar de grande parte das pessoas não terem consciência ou senso crítico para entender os impactos ambientais que o lixo em excesso, o desmatamento e as queimadas podem causar ao nosso planeta, existe uma turma super engajada que além de entender e refletir sobre os seus hábitos, estão dispostas a contribuir com o meio ambiente indo muito além das atitudes citadas. 

Elas pensam também na alimentação e no impacto que suas escolhas podem trazer ao meio ambiente.

Estou falando dos flexitarianos. Ser flexitariano significa comer principalmente alimentos de origem vegetal – como frutas, verduras, legumes, grãos, nozes e produtos de soja – mas não exclusivamente isso. As carnes também podem ser consumidas, ocasionalmente, significando uma grande redução em relação ao que se consome, normalmente.

Esta redução do consumo de carne pode ajudar a preservar os recursos naturais, diminuindo as emissões de gases de efeito estufa, bem como o uso da terra e da água. Sem falar na redução da crueldade com os animais.

Se você, assim como eu, pensa em futuro sustentável, adotar uma dieta flexitariana é um passo fundamental para alcançar este objetivo. 

A indústria da carne

Muita gente não sabe, mas a indústria da carne é mais prejudicial ao meio ambiente do que imaginamos. Além de ser uma das maiores responsáveis pelo aquecimento global com a geração de metano produzido pelo processo de digestão dos animais, essa indústria também contribui para a escassez de água. E esses são só alguns dos problemas que essa indústria traz. 

De olho no meio ambiente e na saúde

Mas, não basta apenas retirar a carne. Nosso organismo precisa de proteína. Além de retirar a carne, a atenção deve ser concentrada nas refeições. Seu cardápio deve conter alimentos ricos em proteínas, vitaminas e minerais, para suprir a ausência da carne. Ou seja, não basta apenas retirar é preciso nutrir-se de forma consciente e equilibrada.

Tenha total respeito pela sua alimentação e necessidades do seu organismo. Pense sempre nos alimentos que irão compor a refeição em substituição à carne. Seu comportamento determinará o modo como o organismo absorverá sua nova rotina. O flexitarianismo permite começar em um ritmo gradual, sem exigências ou obrigações.

Como saber se a dieta fornece todos os nutrientes necessários?

A minha recomendação é sempre procurar orientação nutricional. No meu consultório oriento aqueles que querem adotar uma dieta para melhorar a saúde, respeitando seus objetivos e propostas. 

Minha recomendação é sempre incluir vegetais em todas as refeições, porções de frutas e legumes, alimentos integrais, grãos e cereais.

Como o consumo de carne será reduzido, é preciso assegurar a ingestão suficiente de ferro. Boas fontes alternativas são cereais matinais enriquecidos com ferro e vegetais verde-escuros – como espinafre, couve e brócolis.A vitamina C aumenta a absorção de ferro.

Pensar em nutrição é querer uma alimentação saudável, balanceada rica em nutrientes que nos fazem sentir bem. Pensar em preservar o meio ambiente é manter a saúde do planeta e de todos os seres vivos que moram nele. Pensar nas nossas ações e escolhas é fundamental para que possamos ter um futuro saudável.