Produção industrial de Minas avança 3,1% em dezembro

Da Redação | 10/02/2021

Boas notícias devem aquecer a economia mineira e animar a população. É que a produção industrial de Minas Gerais apresentou, em dezembro de 2020, um avanço de 3,1% frente ao mês imediatamente anterior, na série com ajuste sazonal.

Onze dos quinze locais pesquisados mostraram taxas positivas, refletindo, em grande medida, a ampliação do movimento de retorno à produção das unidades produtivas, após as paralisações/interrupções ocorridas em várias unidades, por conta dos efeitos causados pela pandemia da COVID-19. Nesse mês, Espírito Santo (5,4%) e Ceará (4,7%) assinalaram as expansões mais acentuadas. Por outro lado, Bahia (-4,0%) e Amazonas (-3,7%) apontaram os recuos mais elevados em dezembro de 2020.

Na comparação com igual mês do ano anterior, o setor industrial nacional mostrou expansão de 8,2%, em dezembro de 2020, com treze dos quinze locais pesquisados apontando resultados positivos. Vale citar que dezembro de 2020 (22 dias) teve um dia útil a mais do que igual mês do ano anterior (21). Nesse mês, Rio Grande do Sul (19,7%), Paraná (18,9%), Santa Catarina (18,7%), Minas Gerais (18,4%), Ceará (17,7%) e São Paulo (17,5%) assinalaram expansões de dois dígitos.]

No indicador acumulado para o período janeiro-dezembro de 2020, frente a igual período do ano anterior, a redução verificada na produção nacional foi de -4,5% alcançando doze dos quinze locais pesquisados. Minas Gerais apresentou recuo de 3,2% no período de janeiro-outubro de 2020.

A taxa anualizada, indicador acumulado nos últimos doze meses, ao registrar redução de 4,5% no indicador nacional, em dezembro de 2020, mostrou redução na intensidade de perda frente aos resultados dos meses anteriores. Em termos regionais, doze dos quinze locais pesquisados assinalaram taxas negativas em dezembro de 2020, mas doze apontaram maior dinamismo frente aos índices de novembro de 2020, entre eles Minas Gerais que passou de -5,6% para -3,2%.

Em Minas Gerais, observa-se um avanço de nove das 12 atividades divulgadas, em relação a igual mês do ano anterior. Os maiores avanços foram observados nas atividades de fabricação de máquinas e equipamentos (136,6%), fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias (68,3%), fabricação de celulose, papel e produtos de papel (62,2%), fabricação de produtos têxteis (38,7%), fabricação de produtos do fumo (35,3%), fabricação de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos (22,9%) e indústria extrativa (22%). Por outro lado, apenas a atividade de fabricação de coque, de produtos derivados de petróleo e de biocombustíveis apresentou recuo de 0,3%, como se pode verificar no Quadro 1.

Fonte: IBGE

Mais Notícias