Planejamento da obra: por onde começar?

No processo de construção de uma casa, existem imprevistos que muitas vezes não podem ser antecipados.

Marina Dubal | 22/02/2021

Construir ou reformar uma casa é a realização de um grande sonho para muitas famílias. Mas são também uma decisão financeira importante. É comum relatos de obras serem sinônimo de problemas e dor de cabeça. Gastos acima do previsto, descumprimento de prazos, desperdício ou falta de materiais, erros de execução. Mas realizar uma obra não precisa necessariamente ser um processo estressante. A solução passa por uma palavra muito conhecida por nós em vários aspectos de nossas vidas: planejamento. 

Planejar uma obra não é tarefa simples. É um trabalho que envolve conhecimentos sobre as particularidades do setor, conhecimento técnico sobre detalhes construtivos, orçamento, gestão de tarefas e de tempo. É uma etapa primordial para qualquer construção, desde pequenas reformas à grandes edifícios, mas nem sempre é encarada com a seriedade que deveria. É na fase de planejamento que você terá a previsão do trabalho e tempo que a obra vai gerar. Qual o orçamento, os materiais utilizados, o tipo ideal de mão de obra, quantos profissionais deve contratar para ter um bom custo x benefício, como se preparar para imprevistos. Aqui no Brasil é comum gastar-se pouco tempo com planejamento, numa média de 20% do tempo previsto para uma obra. Em países mais desenvolvidos como o Japão chega-se a gastar 80%! O resultado é visível e mensurável: obras bem planejadas são muito mais rápidas e eficientes. A falta de conhecimento da importância dessa etapa, além de agir com improviso e prazos muito curtos, gera um problema global de ineficiência e perda de qualidade.

Mas por onde começar? É chamado de planejamento de obra uma série de estudos, dimensionamentos e planos para direcionar todas as etapas de uma obra com o objetivo de prever riscos, inconformidades e impactos da construção de um projeto. Planejar uma obra não é só colocar no papel o que você quer construir ou reformar, mas organizar com detalhes todas as fases desde a concepção do projeto até a conclusão da obra, prevendo custos e cronograma. E ela começa muito antes do início da obra. Uma boa obra começa sempre com um bom projeto. 

Investir em um projeto completo e detalhado permite tomar decisões corretas e inteligentes durante todo o processo construtivo. Sendo assim, um bom planejamento começa na contratação de profissionais qualificados que irão coordenar e acompanhar todo o processo, desde escutar os desejos de seu cliente até o último adorno. Sendo assim, contar com um arquiteto desde o princípio é ter a garantia de que que os processos de obra serão acompanhados de perto e de forma organizada, evitando atrasos, desperdícios e principalmente o temido retrabalho. Além de ter um projeto com ideias e soluções pensadas exclusivamente para o cliente e suas necessidades.

Muitas vezes a não contratação do arquiteto se dá por uma questão de economia. Mas economizar com o projeto é um erro comum que pode custar caro. Obras iniciadas sem o devido cuidado com os processos e detalhamento tendem a gerar confusão no canteiro de obras e como principal consequência gera o famoso retrabalho, que é um dos maiores vilões no aumento dos custos e prazos da obra. Fazer algo duas vezes sempre será mais caro! O custo de retrabalhos não envolve apenas o desperdício dos materiais, mas vários custos extras com mão de obra, transporte e muitas vezes atraso no cronograma. Mas uma boa notícia: o custo de um projeto é uma porcentagem muito pequena em relação ao custo global investido na construção.

Os principais gargalos para a elaboração do planejamento são a quantidade e qualidade das informações, além do acompanhamento de todas as etapas. Para que a obra seja eficiente, o arquiteto elabora o que chamamos de projeto executivo. O nome já dá a pista. É um conjunto de desenhos técnicos e informações necessárias que garantem que o projeto será executado da forma prevista. É como uma receita de bolo. Nele deve ter todos os ingredientes, processos, detalhes para que o resultado seja alcançado. É como cliente, arquiteto, colaboradores e fornecedores se comunicam. E muitas vezes esses projetos são relevados até mesmo por profissionais da área. Mas eles são muito mais que desenhos, eles são documentos essenciais que garantem que tudo o que foi planejado será executado da forma correta, garantindo um maior controle e qualidade do orçamento, do cronograma e é claro, do resultado.

Com um orçamento bem detalhado fica muito mais fácil controlar e entender os gastos futuros. É ele que permite a seleção dos fornecedores ideais para sua obra, onde colocamos na balança fatores como custo-benefício, tempo, padrão de execução. E ter bons fornecedores favorece a realização de obras eficientes e de qualidade. Para nós esses profissionais são mais que fornecedores. São parceiros. Transformam nossas muitas horas de desenhos e planejamento em realidade. Nas mãos desses profissionais nossas ideias tomam forma e os sonhos dos nossos clientes se concretizam. Uma boa seleção é fundamental para uma obra tranquila! É também papel do arquiteto auxiliar na seleção desse time e acompanhar a qualidade do trabalho até o final da obra. Planejadores, engenheiros e executores devem trabalhar juntos para otimizar a aplicação de recursos, mão de obra, e evitar gastos desnecessários. 

No processo de construção de uma casa, existem imprevistos que muitas vezes não podem ser antecipados. Porém com um bom planejamento a grande maioria pode ser evitada, além de permitir uma melhor tomada de decisão caso eles ocorram. Contrate bons profissionais! Com o apoio deles é possível apreciar todo o processo de ver seu sonho tomar forma. Com mais planejamento e menos stress. 

Confira outros textos da colunista Marina Dubal (aqui)