Os mundos habitados e os ET’s

Carlos Malab traz sua coluna para o Cidade Conecta com escritos do livro "Era uma vez para sempre".

Carlos Malab | 04/11/2021

Era verão e fazia muito calor na cidade. Todos ficavam ansiosos pela temperatura mais amena trazida pela noite. Nessas ocasiões, Vovó Angel reunia as crianças na varanda da casa para que aproveitassem a noite agradável e comentassem sobre os mais diversos assuntos.

Naquela noite especial, o céu estava maravilhosamente límpido e todos admiravam as estrelas. Tião aproveitou o momento para indagar:

– Vovó Angel, existem outros planetas habitados no Universo, como a Terra?

A pergunta parecia refletir uma dúvida da maioria das crianças, porque elas imediatamente pararam para prestar atenção na resposta.

Vovó Angel refletiu por uns instantes e respondeu:

– Tião, meu querido, pelo que sei a ciência ainda não conseguiu provar a existência de vida inteligente em outros planetas, mas os espíritos nos informam que existe sim, e que a vida em outros mundos se manifesta de forma diferente! Embora muitos neguem a existência de vida em outros planetas, vocês acreditam que Deus permitiria que só na Terra houvesse vida, no Universo inteiro?

Enquanto algumas crianças balançavam negativamente a cabeça, outras não se manifestaram.

Aí Pedrinho perguntou:

– Então os ET’s existem? Eles fazem mal para nós?

Vovó Angel pensou sobre os extraterrestres e falou:

– Pedrinho, no Universo, segundo os espíritos, a raça humana não tem nada de especial. Vivemos em um planeta em evolução, tal qual muitos outros. A vida não se manifesta da mesma forma em outros planetas, pois cada um tem as suas características físicas próprias. Os ET’s, ou extraterrestres, podem sim existir, e tanto podem ser bons quanto maus. Não é isso que vemos aqui na Terra, com os humanos?

– Mas como eles podem ser maus? Não são eles tão inteligentes, a ponto de nos visitarem? – perguntou Lari.

– Se uma pessoa tem superioridade intelectual, Lari, não significa, obrigatoriamente, que ela seja boa. Não vemos ocorrer o mesmo na Terra? Não existem inteligências brilhantes no nosso mundo, dedicadas a construir armas de guerra e destruição? Além do mais os espíritos superiores nos esclarecem que os mundos são como grandes escolas, onde todos estamos matriculados. Existem, assim, mundos inferiores, de provas e expiações, de regeneração, mundos superiores…

Vovó Angel fez uma pequena pausa e ia continuar quando Mateus perguntou:

– E a nossa Terra, Vovó, que tipo de mundo ela é?

– Nossa Terra, Mateus, está no estágio de transição de “mundo de provas e expiações” para “mundo de regeneração”!

– E quando isso vai acontecer? – o garoto queria ir mais longe.

– Não sabemos, Mateus, só Deus sabe! O que os espíritos informam é que estamos próximos dessa mudança de estágio e que todos nós seremos chamados a testemunhar o Evangelho. O próprio Senhor Jesus afirmou: “Na casa de meu Pai há muitas moradas…”, (1) como a nos ensinar que a Terra é uma escola, na qual estamos matriculados pela bondade de Deus.

Todos fizeram silêncio por algum tempo, admirando a beleza do firmamento.

Vovó Angel olhava para as estrelas e pensava nos mistérios que elas guardavam por muitos milênios. Ela sabia que a Terra estava em evolução constante e tinha certeza de que a renovação material propiciada pela ciência seria seguida pela renovação moral. O que não podia dizer é quando isso se daria. Na reunião mediúnica de que participava, os espíritos superiores insistiam em convidar a todos para a prática do bem e para a transformação moral, pois só assim o nosso “passaporte” espiritual estaria carimbado para a permanência na Terra como mundo de regeneração. Pensou em transmitir esse conceito para as crianças e decidiu abordá-lo com uma pergunta:

– Crianças, vocês sabem que a Terra está passando para uma nova etapa de evolução. O que vocês acham que vai acontecer com aqueles que não procurarem ser bons?

A expectativa de uma resposta ficou aparente na face de todos. Lari adiantou-se e afirmou:

– Para mim, está claro: vão ter que refazer a lição! É como tomar bomba na escola e ter que repetir o ano!

Vovó Angel ficou admirada com a simplicidade e a objetividade da resposta de Lari, e complementou:

– Muito bem, Lari, sua resposta não poderia ser mais precisa e direta! Aqueles que não se renovarem intimamente não terão mais lugar na Terra e terão que repetir a lição em outro planeta que esteja no estágio espiritual que se lhe encaixe.

– Isso quer dizer que os espíritos mudam de mundos? – perguntou Paula, reflexiva.

– Sim, os espíritos formam grandes comunidades, que são como famílias, que estagiam em determinada posição moral e vão evoluindo em conjunto. Quando alguns teimam em não seguir em frente, de forma repetida e constante, informam os espíritos que a maioria segue adiante e os retardatários repetem a lição até que possam juntar-se novamente ao seu grupo. Pelos livros espíritas, sabemos que Jesus recebeu no plano espiritual da Terra espíritos que vieram degredados do sistema estelar de Capela, há milhares de anos. Em sua maioria, esses espíritos já retornaram, mas além de se renovarem moralmente, com a dor da saudade e do regresso a um estágio primitivo de civilização, contribuíram em muito para a população da Terra.

A lição não poderia ser mais clara. As crianças entenderam logo a importância de se passar de ano, tanto na escola física, preparando-se para a vida profissional, quanto na escola espiritual, a da evolução moral.

A hora já ia adiantada e Vovó Angel, como que querendo fixar na mente de todos o ensinamento, convidou as crianças a caminharem para suas camas. E fez a prece noturna, lembrando-se da grandiosidade da sabedoria e do amor de Deus, que sempre oferece aos Seus filhos uma nova oportunidade para alcançar a felicidade real.

__________________________

(1) Nota do médium: João, 14: 2.

Fonte: MALAB, Carlos Henrique da Silva. Era uma vez para sempre. Pelo espírito Blandina. Belo Horizonte: Vinha de Luz Editora, 2007. p. 59-65.

Ilustração: acervo iconográfico da Vinha de Luz Editora da Casa de Chico Xavier de Pedro Leopoldo.

Confira outras colunas de Carlos Malab (AQUI).