Movimento no Aeroporto Internacional de BH deve aumentar 22% neste mês

Da Redação | 04/01/2022

2022 começou movimentado no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins, e a tendência é continuar com alta circulação de passageiros e aeronaves durante a temporada de férias de janeiro. Na comparação com janeiro de 2021, o aumento na movimentação de passageiros pode chegar a 22,37%.

Para o período, são esperados 815 mil passageiros. Já o número de voos deverá chegar a 7,4 mil, o que representa 2% a mais do que foi operado em dezembro. “A mudança de cenário com relação a janeiro de 2021 reafirma nossa perspectiva de retomada das operações para 2022. A pandemia ainda não acabou, mas há um aumento contínuo da população imunizada, assim como uma queda nas internações pela doença.

O Aeroporto Internacional de Belo Horizonte inicia 2022 com mais destinos sendo comercializados do que em 2019, período anterior à pandemia. De acordo com Clayton Begido, gestor de Conectividade e Aviação da BH Airport, atualmente são 45 destinos em operação e 49 sendo comercializados. Esses quatro, com início de operação prevista para março. Entre eles, um para Londrina, pela Azul Linhas Aéreas com seis voos semanais. Contaremos também com voos para Miami e Nova Iorque, conforme já anunciado, que serão operados pela Eastern Airlines. Clayton ressalta ainda a ampliação da oferta de voos. “A Latam, por exemplo, ampliou a oferta de quatro voos com destinos a Vitória e Curitiba. Todos já sendo comercializados. Mais um sinal de que a aviação está em retomada crescente”, diz.

Voos em operação: Aracaju (SE), Belém (PA), Barreiras (BA), Brasília (DF), Cabo Frio (RJ), Campinas (SP), Carajás (PA), Comandatuba (BA), Congonhas (SP), Cuiabá (MT), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Fortaleza (CE), Foz do Iguaçu (PR), Galeão (RJ), Guanambi (BA), Guarulhos (SP), Governador Valadares (MG), Goiânia (GO), Ilhéus (BA), Ipatinga (MG), Imperatriz (MA), Jericoacoara (CE), João Pessoa (PB), Marabá (PA), Maceió (AL), Montes Claros (MG), Natal (RN), Porto Alegre (RS), Porto Seguro (BA), Porto Velho (RO), Recife (PE), Ribeirão Preto (SP), Salvador (BA), Santarém (PA), Santos Dumont (RJ), São José do Rio Preto (SP), São Luís (MA), Teixeira de Freitas (BA), Uberaba (MG), Uberlândia (MG), Vitória (ES), Vitória da Conquista (BA).

Ações contra a Covid-19

Mesmo com o avanço do plano nacional de vacinação contra a Covid-19, o setor de aviação segue em busca de uma retomada gradativa e segura para passageiros, visitantes e comunidade aeroportuária. No terminal, são colocadas em prática todas as orientações das autoridades de saúde e da Agência de Aviação Civil (Anac) para que as pessoas se sintam seguras para circular pelo aeroporto e para voar.

Há dispensers de álcool em gel em todo o aeroporto, barreiras de proteção nos locais de atendimento aos usuários e adesivos informativos para piso, assentos, banheiros e elevadores. Com apoio do exército, uma equipe foi capacitada para atuar na descontaminação e higienização de áreas de grande circulação. Entre as demais medidas já adotadas para o combate à disseminação da Covid-19, também foi reforçada a limpeza e desinfecção das áreas comuns de todo o aeroporto, especialmente dos banheiros.

O aeroporto também laçou uma campanha de comunicação no intuito de conscientizar passageiros, visitantes e a comunidade aeroportuária sobre a necessidade de higienização das mãos, de manter o distanciamento, isolamento de assentos, uso de máscara e demais atitudes que podem garantir a saúde e segurança de todos.

Para quem viaja a Belo Horizonte, em voos internacionais, há obrigatoriedade de realização de teste PCR para Covid-19. O exame precisa ser feito com até 72 horas de antecedência e apresentado durante o embarque no país de origem. Também deve ser apresentada declaração de Saúde do Viajante (DSV) preenchida com a concordância sobre as medidas sanitárias que devem ser cumpridas durante o período que estiver no Brasil.

Ao desembarcar no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em voo internacional, os passageiros terão contato com a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), que identifica se há alguém com algum sintoma de Covid-19 ou precisando de atendimento médico.