Minas Gerais: 300 anos de histórias e encantos

Historiadora revela detalhes da fundação do nosso estado e suas riquezas

Da Redação | 13/12/2020

Por: Bárbara Tostes

No dia 2 de dezembro de 2020 foi comemorado o aniversário de Minhas Gerais. A data comemora o desmembramento das capitanias de São Paulo e Minas do Ouro, em 1720, pelo Conselho Ultramarino, responsável pela administração das terras colonizadas por Portugal. Portanto, trata-se da criação de uma capitania autônoma, com seu próprio aparelho administrativo e de defesa sob o domínio português durante o período colonial. 

Dito isso, devemos lembrar que, antes da presença portuguesa na região, vários povos ocuparam o território. Descobertas arqueológicas feitas no estado, por exemplo, foram fundamentais para as pesquisas sobre o povoamento do continente americano. Um dos crânios humanos mais antigos, encontrados na América do Sul, foi descoberto em um sítio arqueológico situado em Lagoa Santa. Denominada Luzia, o achado arqueológico comprovou a existência de agrupamentos humanos há mais de 11 mil anos na região. 

A ocupação do território mineiro durante o período colonial, por sua vez, ocorreu ao longo do século XVII.  Desbravadores encaravam os desafios impostos pelo sertão para alcançar novas terras e novos sonhos, sendo o maior deles a descoberta de metais preciosos. Foram os bandeirantes paulistas que conseguiram o feito de encontrar ouro na região no final do século XVII. A atividade mineradora transformou a relação entre Portugal e a América Portuguesa. Rapidamente, a região mineradora se tornou a mais rica dentre as possessões portuguesas. Milhares pessoas se deslocaram a região das minas nas décadas seguintes dando origem à cidades, vilas e arraiais. O desafio de Portugal era manter o controle da região, evitando conflitos e obtendo o maior lucro possível por meio do pagamento de pesadas tarifas de impostos.

A insatisfação da população com o controle metropolitano resultou na Revolta de Vila Rica, em 1720. Organizada pela elite local, que estava insatisfeita com a cobrança do quinto, principal imposto da região mineradora, e com o governador da Capitania de São Paulo e Minas de Ouro, o Conde de Assumar, revolta escancarou a complexidade da capitania e a necessidade de desmembrá-la para garantir o controle da região mineradora. O líder do motim, Filipe dos Santos, foi condenado à morte e executado em praça pública, como castigo exemplar, e a Capitania de Minas Gerais foi fundada. 

A tensa relação entre colonos e a administração metropolitana, principalmente na segunda metade do século XVIII por causa do declínio da produção aurífera, provocou conflitos, sendo o mais representativo deles a Inconfidência Mineira, em 1789. 

A bandeira do estado foi oficializada em 1963 pelo governador José de Magalhães Pinto é inspirada na bandeira idealizada pelos inconfidentes mineiros.  Joaquim José da Silva Xavier- o Tiradentes- apresentou uma explicação para o triângulo vermelho em seu depoimento, registrado nos Autos da Devassa. Segundo ele, a figura geométrica seria uma referência à Santíssima Trindade. O lema da bandeira “Libertas quae sera tamem”, traduzida como liberdade ainda que tardia, foi escolhido pelos inconfidentes Cláudio Manoel da Costa, Alvarenga Peixoto e Tomás Antônio Gonzaga, que tinham grande apreço pelos pensadores gregos e romanos e, por isso fizeram uma adaptação da frase do célebre poeta romano Virgílio para simbolizar a defesa da liberdade e o desejo de rompimento com Portugal. 

A importância de Minas Gerais para a formação do Brasil é inegável. A mineração transformou a dinâmica colonial e sua história deixou marcas que ainda estão vivas na cultura, na economia e na sociedade mineira. Apesar disso, não podemos negar que Minas Gerais é um estado cuja história não se restringe ao passado minerador. Pelas terras mineiras muitos caminhos foram traçados, deixando suas marcas e promovendo o povoamento de diferentes localidades. É de autoria do grande escritor mineiro Guimarães Rosa, nascido na cidade de Cordisburgo, a frase que melhor define o estado: “Minas são muitas”. Os caminhos do sertão de minas, os povos banhados pelos Rio São Francisco, o desenvolvimento agrícola do sul e triângulo mineiro, são exemplos da riqueza e diversidade da história mineira. São 300 anos de uma rica história, repleta de grandes personagens, que contribuíram para a formação de Minas e para a diversidade das tradições culturais marcadas pela profusão de sabores, sons e cores.

Mais Notícias