Iorane para todas

CEO da Iorane revela mais sobre esse novo passo em busca de inspirar pessoas e marcas e deixa outras lições sobre inovação, varejo e liderança.

Tatiana Andrade | 01/10/2021

Texto: Tatiana Andrade e Izabella Figueiredo

Em tempos de realidade virtual em que fotos e vídeos muitas vezes se tornaram mais frequentes do que o contato humano e as imperfeições podem ser facilmente corrigidas por meio de apps e filtros, é importante observar marcas que se movimentam em busca de abraçar o imperfeito e valorizar as diferenças. 

Pela primeira vez na história dos mais de trinta anos da Iorane, a marca retrata em campanha seis mulheres reais, de corpos e biótipos diferentes, sem absolutamente nenhum retoque nas imagens. 

Tudo isso para apresentar a nova cápsula Size You, composta por um body democrático que se ajusta a todos os corpos, já que a peça é feita com uma torção especial de fios de poliamida com tecnologia capaz de voltar à forma original mesmo depois de esticado, mediante estímulo de vapor, em “efeito memory”. 

Nesta entrevista exclusiva, o CEO da Iorane, Gustavo Rabello, conta mais sobre esse projeto que inaugura o primeiro passo à caminho de uma nova visão de mundo, assim como sobre sua busca constante por inovação, pela expansão do grupo e ainda deixa lições valiosas de liderança para quem se aventura a empreender no mercado da moda. 

O projeto Size You sinaliza que a marca lança seu olhar para novos valores, até então pouco elevados pela indústria da moda. Como acredita que essa cápsula reflete os novos tempos e como foi seu surgimento e desenvolvimento?  

Procuro estar sempre atendo às mudanças e inovações do mundo, e é inegável que ele caminha na direção de uma moda mais inclusiva, aliás, um mundo mais inclusivo. Como uma marca de roupa que se comunica, e assim, acaba criando opiniões e influenciando pessoas, reconheço nossa responsabilidade nesse processo global, e foi daí que surgiu a inspiração para o projeto Size You. É necessário falar sobre esse assunto tão importante que é o nosso corpo, cada um com a sua beleza e características únicas. E mais ainda, é preciso falar sobre a aceitação desse corpo: real e individual. Muitas marcas de moda internacionais tem produtos evoluídos neste sentido, sem contar com as várias marcas de outros segmentos que viram seus olhares para essa questão. Me inspirei nessas marcas, e decidi evoluir também. Desenvolvemos uma tecnologia especial que permitiu a criação de um body que veste do tamanho 34 ao 44. Foi um processo de meses, no qual aperfeiçoamos a técnica e o produto, até chegar ao resultado que eu buscava.  Um grande desafio com um processo complexo, mas extremamente gratificante! Enxergo como um pequeno passo, uma pequena mudança, que já significa muito. Espero seguir e evoluir ainda mais neste projeto, e inspirar pessoas e marcas.  

Uma nova tecnologia têxtil também ganhou destaque no lançamento. Como a marca consegue se reinventar para continuar inovando e se tornando relevante mesmo com uma história de mais de 30 anos de existência?  

Acredito que o segredo está em nunca parar. A nossa cultura traz uma inquietude, uma sede por desafios, e temos uma equipe orientada para essa direção, o que torna natural incluir inovação e tecnologia nos nossos projetos, em todos os passos de seu desenvolvimento. Importante reforçar que tenho muito orgulho e respeito pelo passado, procuro cuidar muito bem do presente e olhar intensamente para o futuro – o que faz com que a empresa esteja sempre atualizada e se reinventando sempre. Por isso carrego meu lema por onde for: com alma e sem calma.  

Acredita que a pandemia tenha causado impactos nas inovações do setor, assim como contribuído para trazer também novas visões de mundo e valores para marcas já existentes?  

Com toda certeza. Falando sobre a realidade do grupo, desde o início da pandemia passei a me esforçar ainda mais para trazer projetos e produtos inovadores – algo que já fazia antes, mas que se fez ainda mais necessário naquele momento. E, assim, acabamos indo um pouco na contramão: enquanto o mundo desacelerava, nós dobramos a nossa velocidade e nos vimos diante do desafio de adaptar essa inovação a um momento tão delicado, marcado por tanta tristeza e incerteza. Foi um período em que o nosso time trabalhou incansavelmente, para que a gente não ultrapassasse essa linha tênue e mantivesse o respeito e o carinho não só pelas nossas clientes, mas por suas famílias, pelos nossos colaboradores e por todas as pessoas com quem nos relacionamos de alguma forma. Esse período me fez adquirir um olhar mais sensível e mais cuidadoso, e aguçou ainda mais em mim também esse senso de responsabilidade social atrelado à  tecnologia que foi o que deu o start em projetos como o Vai Ficar Tudo Bem em 2020 e, agora, o próprio Size You. 

A Iorane acaba de anunciar também outra novidade: a abertura de mais uma loja física, dessa vez em Brasília.  Quais suas expectativas quanto ao futuro das lojas físicas depois do recente avanço das vendas on-line? 

Antes de mais nada, preciso dizer que essa conquista me deixou muito feliz. Ver a expansão da empresa, a consolidação dela como uma marca sólida e o desembarque em uma praça que sempre foi tão importante para o nosso atacado e varejo online me enche de orgulho e as expectativas são as melhores possíveis. Acredito que um canal sempre complementa o outro fortalecendo por fim, a marca como um todo. Apesar de ter plena ciência de que o digital facilita e agiliza muitos aspectos da vida das pessoas, acho também que nada substitui o contato cara a cara, e eu vejo que as pessoas estão ávidas por isso neste momento em que estamos, aos poucos, vencendo uma pandemia. E é nas lojas físicas que conseguimos oferecer experiências sensoriais com excelência. Por isso fica aqui o meu convite a todos para visitarem uma de nossas lojas. O futuro é das marcas omnichannel, e é o que nós, na Iorane, buscamos ser – e eu acredito que temos sido muito bem sucedidos nesse objetivo.  

Como CEO de um grupo de moda com duas grandes marcas no portfólio, que se prepara para abertura de mais uma (Goo Denim), e que dirige nove lojas e conta com mais de 250 pontos de vendas pelo Brasil e mundo, quais lições de liderança gostaria de deixar para quem empreende no mercado? 

Acredito que as palavras-chave que resumem um bom líder são: pessoas, criatividade, inovação e execução. O mercado de moda, sem dúvidas, é extremamente desafiador! Então investir em pessoas, em um time consistente, formado por colaboradores com visões e valores congruentes com os da empresa, é primordial. Além disso, dedicar-se à inovação e pesquisa também possibilita que a empresa se diferencie das demais e assuma um lugar de pioneirismo no mercado. E por fim, importante lembrar que na moda sempre tem espaço para quem se reinventa todos os dias e tem paixão pelo que faz.

Fotos: Lufré