Grande Hotel Termas de Araxá é revitalizado, mas mantém imponência clássica

Resort construído em prédio histórico já aceita turistas para usufruir de sua variada infraestrutura para crianças e adultos, a rica gastronomia e as termas relaxantes.

Da Redação | 23/09/2021

Depois de sete meses ficaram prontas as obras de melhorias do prédio e finalizado o projeto de retrofit de alguns ambientes do Grande Hotel Termas de Araxá. Já a partir de setembro, o charmoso resort mineiro convida os turistas para aproveitarem todas as suas belezas, em especial das termas centenárias, e sua infraestrutura para adultos e crianças.

Neste processo revitalização, foram investidos R$ 2 milhões por parte do Grupo Tauá – que hoje administra o hotel – e mais R$ 600 mil da Codemge (Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais), já que ele ainda pertence ao governo de Minas, embora esteja arrendado até 2025.

O empreendimento está em um prédio tombado pelo patrimônio histórico. Por isso, mantém suas características estruturais e visuais. Além das obras, o Grande Hotel contratou mais 120 profissionais, todos recrutados na cidade e região.

Foram várias melhorias realizadas neste período. Houve revitalização da pintura dos apartamentos, áreas sociais e fontes de águas termais que ficam no entorno do hotel; reformulação do paisagismo dos jardins internos do hotel (formas dos canteiros e replante de plantas do projeto original) e nas áreas das piscinas conforme o projeto original de Roberto Burle Marx; e restauração dos imponentes murais artísticos (pinturas do artista Joaquim Rocha Ferreira), localizados na recepção do hotel e nos corredores das termas.

Além disso, foi feita uma limpeza completa das fachadas com hidrojateamento – técnica que não leva tinta e utiliza cimento e areia para criar cor e textura; manutenção e revitalização do sistema de ar condicionado do empreendimento; revitalização em toda a parte de tubulação hidráulica do hotel e utilizamos revestimento Epóxi – Tecnologia Alemã; e atualização estética e a modernização completa na antiga tubulação hidráulica principal do hotel (que fica no subsolo). Ela que gera as ramificações de água quente e fria e distribui para todos os andares.

Segundo o Grupo Tauá, a reabertura do empreendimento será total, porém, com 30% da capacidade de ocupação, a fim de seguir as diretrizes de ocupação do Estado e do município. O hotel vai atuar com um Plano de Contingência no qual constam as medidas adotadas para receber os hóspedes de maneira segura e, sobretudo, colaborar no combate à transmissão da Covid-19.

Construído na década de 1940 no Conjunto Termal do Barreiro, o complexo do Grande Hotel de Araxá tem 33.300 m2 de construção e fica no centro de um parque de 450.000 m2, a mais de 900 metros de altitude. Há jardins projetados por Burle Marx, de onde se divisam lagos e bosques, com grande diversidade de árvores.

Com 283 apartamentos, o empreendimento tem como destaque ainda as termas, que são abertas ao público em geral, além dos hóspedes. Possui banhos alternativos, massagens relaxantes e tratamentos estéticos. Lá fica a Piscina Emanatória, aquecida aos 36 graus, uma opção para quem procura relaxar a musculatura do corpo e se deliciar nas águas quentes de Araxá.

O hotel atrai também pela sua gastronomia. Os menus são harmonizados com os vinhos ou bebidas típicas e variados. Incluem cozinhas árabe, mexicana, espanhola, francesa, italiana e alemã, com saladas, entradas, pratos quentes e sobremesas típicas também, além dos queijos e doces da região de Araxá.

Fotos: Divulgação JC / Grupo Tauá