Fiat Lux

Não, Fiat Lux não é só aquela famosa caixinha de fósforos.

Humberto Alves Pereira Filho | 12/07/2021

diretor Humberto Alves Pereira Filho

No Gênesis, primeiro livro da Bíblia, Deus, após a criação do céu e da terra, inventou com um: “Fiat Lux”. “Faça-se a luz1”. E a luz fez-se, em oposição às trevas. Bonito, não é?

Puxando a luz para a sardinha, a Fiat é uma das pérolas da Stellantis, um dos maiores fabricantes de automóveis do mundo. Foi fundada por Giovanni Agnelli, em 1899, Turim, Itália, onde ainda mora a sede mundial.

Uma linda história sem fim.

Puxando a mesma luz para o nosso queijo, “grazie mille”, ao governador Rondon Pacheco (1919-2016), filho de Uberlândia, de onde também voltou ao criador, aos 96 anos!

Raridade, uma empresa do porte da Fiat trocar São Paulo por Minas. Mas não foi à toa. Já nos anos 1960, os italianos vendiam tratores ao estado.

Foi quando Rondon Pacheco, antes mesmo de ser governador, entre 1971 e 1975, iniciou as negociações com a Fiat.

Como não existe “almoço de graça”, Minas entrou com pouco mais de 40% no empreendimento, generosidade e sociedade muito maiores que as oferecidas por São Paulo e Paraná que, até hoje, devem morrer de arrependimento.

Os 2,25 milhões de m2 tiveram preço simbólico para a prefeitura de Betim. O governo estadual arcou com a infraestrutura: estradas, acesso à rodovia São Paulo–Belo Horizonte, energia elétrica, água e telefonia.

O resto é história, fazendo da Fiat uma joia tão italiana quanto um tesouro mineiro, patrimônio, exemplo, modelo, referência.

Dia 9, a Fiat comemorou, com “mille” motivos, 45 anos de Minas e Brasil pois, em setembro de 1976, foi lançado o primeiro “pão de queijo” italiano, o Fiat 147. Desde então, muita água e luz rolaram.

Neste julho, a Fiat ganhou o presente de aniversário mais merecido:  a volta à liderança das vendas no mercado nacional, ultrapassando, de primeira, a General Motors.

“Em junho, chegou a 26% de participação, marca histórica. O volume no primeiro semestre deste ano dobrou em relação ao mesmo período de 2020 (105%)”.

Esta lasanha toda também não veio de graça. É recheada e tem molho: “permanente modernização e contínuos investimentos para manter-se atualizada com a melhor tecnologia produtiva mundial”.

Novas áreas de desenvolvimento de veículos rimam com a modernização de instalações, equipamentos, processos e sistemas da Indústria 4.0, no maior ciclo de investimentos realizado no “coração” de Betim.

Pelos 45 anos, Minas, Brasil e América do Sul também ganham presentes: os modelos mais vendidos no Brasil, como a picape Fiat Strada, líder de vendas, além do Argo e Mobi, entre outras “máquinas”.

E vem aí outro campeão de audiência, o Fiat Pulse, o primeiro SUV, confirmando a Fiat como líder em automóveis e comerciais leves. Dia 9, o Dia D, o governador de Romeu Zema acompanhou a produção, ainda em fase de pré-série.

Querem mais? Neste 2021, a Fiat foi a marca mais vendida, com 22,1% de mercado. Também lidera na América do Sul e no período, com 14,8% de participação nas vendas totais.

Com a palavra, o orgulhoso presidente da Stellantis para a América do Sul, Antonio Filosa. “Consolidamos extenso e diversificado parque industrial, conquistamos a liderança do mercado brasileiro, sul-americano e empregamos milhares de pessoas que desenvolveram seus talentos, nosso grande diferencial”.

O Polo Automotivo é sede da Stellantis para a América do Sul. Fruto da fusão da Fiat Chrysler Automobiles (FCA) com o Groupe PSA. Fruto dos maiores do mundo, dono de 14 “grifes” e líder mundial em sustentabilidade.

Pode produzir 700 mil automóveis e comerciais leves por ano e 1,3 milhão de unidades de motores e transmissões. Desde sua fundação, produziu mais de 16 milhões de veículos, dos quais 3,6 milhões foram exportados.

Para terminar com o “Dia da Criação”, do poeta Vinicius de Moraes, “de fato, depois da Ouverture do Fiat e da divisão de luzes e trevas, o Senhor cismou em não descansar no Sexto Dia e sim no Sétimo. E para não ficar com as vastas mãos abanando, resolveu fazer o homem à sua imagem e semelhança”.

O homem, que fez a roda e a Fiat!

Confira outros textos do colunista (AQUI)