Feliz Ano Novo Cristo Redentor

Humberto Alves Pereira Filho | 04/10/2021

diretor Humberto Alves Pereira Filho

Nova York e os Estados Unidos têm a Estátua da Liberdade. Paris e a França têm a Torre Eiffel. Roma e a Itália têm o Coliseu. Rio e Brasil têm o Cristo Redentor.

Estes monumentos são mais que cartões postais, são símbolos de suas cidades e países.

Com exceção do Coliseu, o que têm em comum a Estátua da Liberdade, a Torre Eiffel e o Cristo Redentor? A França e suas belas artes, incluindo a engenharia.

A Estátua da Liberdade é um presente da França aos Estados Unidos. O Cristo Redentor não foi um presente de grego da França, mas tem um pezinho lá. Pezinho não, muito pelo contrário. Devido o notório saber no assunto, os detalhes mais importantes do Cristo foram feitos na França: a cabeça e as mãos.

A coluna de hoje é para desejar um feliz aniversário ao Cristo Redentor que, dia 12 de outubro, completa 90 anos de sua inauguração, pelo presidente Getúlio Vargas, em 1931, no alto do Corcovado.

A data não foi escolhida à toa, nem homenageia o Dia das Crianças, mas o Dia da Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida.

A coluna de hoje é um “Parabéns pra você nesta data querida” e não uma aula de história, cheia de idas e voltas, encontros e desencontros.

Mas posso contar algumas curiosidades deste símbolo de um Brasil não tão católico como em 1931, mas ainda abençoado por Deus e bonito por natureza. Aliás, se o Cristo tem 90 anos, 30 metros (38, com o pedestal), o Corcovado tem 500 milhões de anos e 700 metros de altura.

A coluna de hoje também não quer ser uma aula de geologia. Melhor é dar nomes e explicações sobre o milagre e seus santos.

Dom Pedro I não foi apenas nosso primeiro imperador. Também foi um dos primeiros a subir, cavalgando, o Corcovado. Lá, ele fez construir um também primeiro, perigoso e improvisado mirante.

Seu filho, Dom Pedro II, além de construir a primeira estrada de ferro até o Corcovado, chique que era, construiu também um mirante bem mais bonito e sólido, em ferro e vidro, o “Chapéu de Sol”, onde, hoje, mora o Cristo.

Para ficar tudo em família e família real, a neta de Dom Pedro I, filha de Pedro II, Princesa Isabel foi quem, sem querer, idealizou e batizou o Cristo.

Isabel recusou a homenagem, lá no alto, com uma estátua dela mesma, como “Isabel Redentora”.

Redentora dos escravos por assinar a Lei Áurea, em 1888. Em vez disso, a princesa disse mais ou menos isso: “Que seja reverenciado o verdadeiro e maior redentor dos homens, Jesus Cristo”. O resto é história.

A família real e católica foi injusta e vergonhosamente expulsa do Brasil, um ano depois. A ideia do Cristo ficou dormindo em berço esplêndido até ser ressuscitada pelo Círculo Católico e financiada por católicos fervorosos, claro.

Muita gente assina o monumento. No Brasil, o engenheiro brasileiro Heitor da Silva Costa. Na França, o escultor Paul Landowski e o engenheiro Albert Caquot, tudo entre 1922 e 1931.

Detalhe, a cabeça, inclinada para baixo, vigiando e protegendo a cidade e os cariocas, foi esculpida pelo romeno, Gheorghe Leonida, no ateliê de Paul Landowski, em Paris.

A cabeça e as mãos, esculpidas em gesso, vieram de navio e aqui remodeladas em concreto.

Outro detalhe bacana. A estátua original é toda de concreto armado, oca e cheia de escadas. Para ser lavável, era coberta por um mosaico de minúsculos triângulos em pedra sabão, aquela, dos profetas do Aleijadinho em Congonhas.

Em 2007 foi eleita uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno.

“Em 2010, uma restauração maciça foi realizada. O monumento foi lavado, a argamassa e pedra-sabão que cobrem a estátua foram substituídos, a estrutura interna de ferro foi restaurada e o monumento tornou-se à prova d’água”.

Em 2012, pela Unesco, tornou-se Patrimônio da Humanidade.

Estrela de cinema e televisão, o Cristo Redentor ficou eterno é na música, 1000% carioca, como ele e o autor da canção, Tom Jobim.

Jobim canta o Cristo em outras músicas, mas com “Samba do Avião” – que alguns pilotos, aterrissando, usam como boas-vindas aos passageiros – ele diz tudo: “Minha alma canta, vejo o Rio de Janeiro, estou morrendo de saudades. Rio, céu, mar, praia sem fim. Rio, você foi feito pra mim. Cristo Redentor, braços abertos sobre a Guanabara…”.

Feliz aniversário, Cristo Redentor, que teu pai te abençoe para você continuar nos abençoando, guiando e iluminando.

Confira outros textos da coluna de Humberto Alves Pereira Filho AQUI.