Espiritualidade: textos sobre Barnabé

O Cidade Conecta preparou lançamentos, periódicos, com uma série de escritos sobre Barnabé, um dos primeiros trabalhadores que se agregaram integralmente à causa cristã.

Carlos Malab | 15/04/2021

As tarefas do Senhor têm um tempo certo

Barnabé observava, pensativo, o desenrolar das atividades de limpeza na casa cristã de Antioquia.

Estava preparando, junto com Demétrius, as soluções medicamentosas que seriam distribuídas, durante a semana, aos doentes ali amparados.

Na equipe, em constante movimento de ir e vir, usando apetrechos de toda a ordem, destacava-se o carinho dos trabalhadores para com os que chegavam à instituição pedindo ajuda.

Entre os tarefeiros, estava o jovem João Marcos, seu sobrinho, filho de Maria Marcos. Ele fora colocado aos seus cuidados pela mãe, quando de sua visita a Jerusalém, acompanhado por Saulo.

Sua irmã, extremamente dedicada à mensagem do Cristo, havia lhe pedido que encaminhasse o rapaz nas hostes dos trabalhadores e seguidores de Jesus. Ela considerava que havia feito tudo ao seu alcance para a educação do filho, e agora ele deveria obter experiência de vida na linha da frente das tarefas, junto à multidão de necessitados do conhecimento das palavras do Messias, longe do ambiente sufocante de Jerusalém.

Barnabé admirava a irmã pela sua dedicação e compreensão de que o filho não lhe pertencia. Agora, João Marcos estava sob a sua responsabilidade, visando o encaminhamento e direcionamento no mundo. O apego e a superproteção materna podiam levar os jovens iniciantes a uma insegurança e carência de atenção. Não era a postura de Maria Marcos. Ela entendia que a sua missão de mãe era de orientadora e apoiadora, mas sem atitudes que prejudicassem o desenvolvimento da natureza espiritual do seu rebento. Nas suas conversas mais íntimas, sua irmã revelara-lhe que o seu sonho era ver o filho integrado de corpo e alma nas lides dos seguidores de Jesus, por reconhecer Nele o Emissário direto de Deus.

Tendo em mente o pedido da irmã, procurara distribuir todo o tipo de tarefas ao sobrinho, no instituto de atendimento em que ambos agora atuavam.

Na casa de Antioquia, a autoridade estava intimamente ligada ao mérito de cada um, conquistado pelo trabalho e fidelidade, na vivência dos ensinos do Cristo, e não à posição social, conhecimento, capacidade de se expressar ou dons de profecia.

Considerando que se aproximava o tempo de ele e Saulo partirem para a tarefa de divulgação da mensagem cristã, pensou, ao observar a atividade do sobrinho, se não seria o momento de consultar João Marcos acerca do que pensava sobre o seu futuro imediato? A tarefa que empreenderiam seria muito desafiadora, e a incerteza pairava por todos os lados. Ele e Saulo sabiam que caminhariam por estradas difíceis, quer no aspecto físico quer no moral. Estaria o sobrinho disposto ao sacrifício que se previa? Ao trabalhador do Cristo, não basta saber, nem só ter a disposição de agir, é fundamental ter fé e desprendimento.

Pensando desta forma, decidiu chamar João Marcos para uma conversa a sós, logo que terminassem as tarefas, com o fim de se alcançar o entendimento necessário.

Após o pôr do sol, vamos encontrar os dois reunidos em singela sala, travando o seguinte diálogo:

-João, meu querido sobrinho, observo o desenvolvimento das suas atividades, desde que chegamos de Jerusalém, e estou feliz por constatar que você tem se devotado, com muito amor, ao labor de amparo ao próximo, que sua força juvenil vem sendo direcionada no caminho correto. Desejo saber quais as suas impressões e considerações íntimas. Existe algo que necessite da minha ajuda? Saiba que tenho imenso carinho por si e grande consideração e respeito por sua mãe. Sinta-se livre para expressar o que vem do fundo do seu coração.

-Querido tio, sou feliz de estar aqui contigo e com os irmãos de Antioquia. Sinto que faço parte de uma enorme família. Todos têm paciência ao me orientarem sobre o que devo fazer. Estou vivendo o que sempre desejei. Aqui, sinto-me livre, sem as cobranças do judaísmo presentes na casa de Jerusalém.

-Nada me alegra mais do que vê-lo assim, no entanto, gostaria de consultá-lo acerca das suas intenções sobre o futuro próximo. Como sabe, eu e Saulo estamos programando uma viagem de longo curso para divulgar a palavra do Mestre, em cidades distantes. Não esperamos caminhos fáceis, com recepções em tapetes floridos. Nosso percurso estará repleto de perigos e os espinheiros não faltarão. Muitas vezes, faltar-nos-á o alimento diário. Caminharemos por estradas despovoadas e hostis. Nossa fé será o esteio que firmará o nosso passo. O que você diz sobre isto? Estará disposto a este sacrifício pessoal pelo Cristo?

Barnabé parou de falar por uns instantes e olhou profundamente nos olhos de João Marcos. O sobrinho ficou paralisado com as questões que lhe colocara. O silêncio fez-se entre eles por longos minutos, interrompido, finalmente, pela pergunta do jovem:

-Porquê este plano de viagem para tão distante? Não temos aqui tantas tarefas que devemos levar a cabo? Não seria melhor despender nossos esforços para divulgar a palavra do Senhor em nossa comunidade?

-João, a seara do Senhor envolve todos os povos. O proprietário de grande plantação de trigo questiona para quem serão distribuídos os seus preciosos grãos? Ele importa-se que as sementes sejam usadas para a produção imediata do pão ou guardadas para atender necessidades futuras? Logo que a produção saia de suas mãos, o produtor sabe, unicamente, que o seu destino é alimentar e fortalecer aqueles que lhe tiverem acesso. Não pode haver distinção na propagação das lições trazidas por nosso Mestre Jesus.

Barnabé aguardou um retorno de João Marcos, mas como ele permanecesse calado continuou:

-Sou grande admirador da atitude de Levi. Quando Jesus apareceu diante dele, e o encontrou desempenhando o seu serviço diário, na coletoria de impostos, chamou-o para segui-Lo, e ele imediatamente levantou-se e seguiu-O. (1) Não pensou no que o mundo esperava dele. Percebeu a oportunidade e agiu para estar próximo do ensinamento e da inesgotável sabedoria de nosso Salvador. Assim, entendo que também temos de agir.

-Mas, se a dificuldade for maior do que a nossa capacidade de a suportar? Perguntou o jovem.

-Sobrinho querido, se o senhor coloca em nosso caminho uma tarefa é porque somos capazes de cumpri-la. Se até aqueles que caminham no roteiro do crime têm suas transitórias vitórias, que dizer daqueles que levantam o estandarte da paz e do amor aos inimigos e adversários? As tarefas do Senhor têm o seu tempo certo, e não podemos deixar este tempo passar, sem contribuir com a nossa parte para as concluir.

As palavras de Barnabé tocaram o coração do sobrinho. Ele lembrou-se da manifestação, pela voz, do Espírito Santo que abonava a iniciativa de Barnabé e Saulo, determinando que eles partissem para a tarefa de divulgação da palavra do Mestre. Diante do convite do tio, que ele respeitava e amava muito, seus temores diminuíram e respondeu:

-Tio, nesta nova missão pode contar comigo. Estou muito feliz por poder estar ao seu lado e de Saulo na viagem a empreender.

Barnabé não se conteve de emoção e abraçou o sobrinho calorosamente dizendo:

-Se os espinhos são candidatos a ferir as mãos de quem cultiva as rosas, não podem, por sua vez, impedir que a beleza e o perfume das flores surjam como recompensa singela ao seu dedicado jardineiro.

No dia seguinte, Barnabé procurou Saulo e comunicou-lhe a aceitação de João Marcos para os acompanhar na viagem que iam iniciar.

Saulo opinou que João Marcos ainda era muito jovem para o empreendimento, mas, perante a insistência do dedicado amigo, deu-se por vencido. Ponderou, no entanto, que oportunamente também conversaria com o filho de Maria Marcos para sondar suas disposições.

Após breves palavras, em torno do desempenho do rapaz nas tarefas da casa, passaram a tecer comentários sobre os preparativos para a viagem, agradecendo ao Senhor as bênçãos da tarefa e as modestas, mas sinceras, contribuições recebidas da comunidade, para as primeiras necessidades.

Não sabiam ainda que, com a sua fé, coragem e incansável disposição de servir, estariam construindo um dos alicerces mais sólidos para a disseminação do Cristianismo no mundo.

  • Mateus 9:9

Foto: João Marcos por Guignard

Psicopictografia pela Médium Cleide, Fraternidade Cristã Francisco de Assis (FECFAS)

Confira os textos da coluna sobre Barnabé assinada por Carlos Malab (aqui)

Mais Notícias