Em carta a Romeu Zema, setor de turismo pede socorro

Representantes de pousadas, restaurantes, bares e demais estabelecimentos de destinos de Minas querem retomar suas atividades, com protocolos rígidos e seguros.

Da Redação | 14/04/2021

Tiradentes na Onda Roxa

Proprietários e gestores de pousadas, restaurantes, bares e demais estabelecimentos de destinos turísticos de Minas Gerais pedem socorro.

Em carta aberta ao governador Romeu Zema, eles pedem ajuda ao setor que está fechado desde o início de março, quando foi implantada a onda roxa do programa Minas Consciente.

A carta tem o objetivo é clamar por apoio, atenção e que o Estado interceda para suavizar os impactos causados pela pandemia.

“O turismo em Minas Gerais vem sofrendo muito com as medidas restritivas, sabemos que a base do plano é salvar vidas, e não discordamos que isso realmente é o que mais importa. Porém, com todo período que o trade turístico não trabalhou em 2020 e agora com as restrições de 2021, estamos assistindo, com muita preocupação, a caminhada de Meios de Hospedagem, Restaurantes, Lojas, agências, guias, Instancias de Governança entre outros à situações financeiras extremamente delicadas”, ressalta o Associação Empresarial de Tiradentes (Asset), Wellersom Cabral.

A entidade, que representa um dos mais importantes polos de turismo do Estado, é uma das que assinam a carta. “Mais uma vez reforçamos que sabemos que o valor da vida é bem maior do que qualquer bem ou dinheiro, mas não há como não se preocupar com o desemprego que já é realidade em vários destinos”, acrescenta.

Sem auxílio

Há cerca de um mês, segundo Cabral, os estabelecimentos das cidades não têm tido nenhum tipo de auxílio público, além da impossibilidade de receber clientes e visitantes. Em 2020, conforme a Asset, Tiradentes recebeu 60% de turistas a menos do que em 2019.

Cabral ressalta que vários destinos no Estado foram reconhecidos por boas práticas de retomada em 2020, por atuarem com medidas restritivas em todo trade e podem ser exemplo para um início de funcionamento das empresas que vivem do setor.

“Não queremos retomar como se não houvesse pandemia, mas também não queremos parar com se não houvesse saída. Por isso solicitamos um olhar diferente para o setor turístico mineiro, com muita responsabilidade, limites e cuidados”, reivindica.

Move

No início de abril, Agência de Desenvolvimento de Monte Verde e Região (Move), outro polo de turismo muito importante em Minas, também quis chamar atenção para os problemas por passa o setor.

A presidente da entidade, Rebecca Wagner, afirmou que desde o início da pandemia da Covid-19, a Move tem atuado para fazer do distrito um exemplo.

“O que antes era um modelo de gestão em turismo tornou-se um padrão de gestão em turismo consciente. Criamos protocolos diferenciados de atendimento em todos os nossos estabelecimentos, seguindo regras e decretos elaborados pelos poderes executivo, legislativo e judiciário, das esferas municipal, estadual e federal, no que tange à salvaguarda das vidas na maior crise sanitária de nossa história. A higienização e o distanciamento, principalmente, foram amplamente respeitados, tendo Monte Verde sido, inclusive, reconhecido pelo Ministério do Turismo, no segundo semestre de 2020, como exemplo nacional no âmbito da retomada do turismo em seu processo de reabertura consciente e segura durante a pandemia”, salientou.

Dessa maneira, a entidade destaca a defesa da agenda previamente estabelecida e para a qual a Move já havia se preparado, que prevê a retomada consciente da rotina comercial. “Com as práticas de controle e as restrições previamente acordadas, entendemos como desnecessária a sequência do decreto que radicaliza as medidas restritivas. Tal decisão é prejudicial à sobrevivência de muitos de nossos comércios – 80% deles de pequenos empresários – e ofertas de serviços locais, arriscando muitos empregos”, escreveu.

A carta

Veja a carta, na íntegra, enviada ao governador Romeu Zema:

A Sua Excelência o Senhor Romeu Zema Neto Governador do Estado de Minas Gerais:

Com cópia para: Secretário de Estado de Cultura e Turismo – Leônidas Oliveira Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico – Fernando Passalio de Avelar Secretário de Estado de Saúde – Fábio Baccheretti Vitor;

Exmo. Sr. Governador,

Nós, representantes de destinos turísticos consolidados no estado de Minas Gerais, aqui estamos, mui respeitosamente, para apresentar uma demanda importantíssima de todo nosso trade, ao mesmo tempo nos solidarizando com todas as famílias que perderam seus entes queridos para essa doença que vem tirando tantas vidas em todo mundo.

O turismo em Minas Gerais vem sofrendo muito com as medidas restritivas da Onda Roxa do Minas Consciente, sabemos que a base do plano é salvar vidas, e não discordamos que isso realmente é o que mais importa.

Porém, com todo período que o trade turístico não trabalhou em 2020 e agora com as restrições de 2021, estamos assistindo, com muita preocupação, a caminhada de Meios de Hospedagem, Restaurantes, Lojas, agências, guias, Instancias de Governança entre outros à situações financeiras extremamente delicadas.

Mais uma vez reforçamos que sabemos que o valor da vida é bem maior do que qualquer bem ou dinheiro, mas não há como não se preocupar com o desemprego que já é realidade em vários destinos. O turismo movimenta muito a economia no estado, emprega milhares de pessoas que estão diariamente sendo demitidas por falta de folego dos empresários, um caminho que trará grandes demandas sociais ao poder público.

Vários destinos no estado foram parabenizados e reconhecidos como boas práticas de retomada em 2020, por atuarem com medidas restritivas em todo trade, pode ser exemplo para um início de funcionamento das empresas que vivem do setor, pois mostrou que com o turismo em atividade, os casos diminuíram no setor, e após o fechamento, os casos subiram, já que os colaboradores têm mais cuidados no trabalho que em suas casas, onde podem acontecer encontros, bate papos, e pequenos eventos que causam aglomeração, gerando contaminação.

Senhor Governador, sabemos o quanto Vossa Excelência se preocupa com a economia em nosso estado, por isso solicitamos um olhar diferente para o setor turístico mineiro, com muita responsabilidade, limites e cuidados.

Não queremos retomar como se não houvesse pandemia, mas também não queremos parar com se não houvesse saída.

Solicitamos:

1 – Que retroaja ao sistema de ondas, exceto a roxa, do Minas Consciente, assim, os empresários do setor poderão movimentar seus estabelecimentos, mesmo que de forma reduzida, evitando muitas demissões e falências em todo estado.  Que seja incluída em todas as ondas a abertura dos parques ao ar livre (essenciais à saúde).

2 – O apoio da SECULT, para uma ação de promoção de Minas Gerais como um destino seguro, o que nos fará sair na frente de todo país e recuperar a economia do setor, repetindo, com segurança e controle.

3 – Que apresente um cronograma de vacinação para nosso estado, apoiando a compra do imunizante através de consórcios de municípios para que tenhamos velocidade no processo.

4 – Criação pela SECULT de programa de auxílio emergencial para trabalhadores ligados aos setores de Cultura e Turismo (alimentação, hospedagem, agências de viagens receptivas e emissivas, etc), utilizando recursos não usados da Lei Audir Blanc e adequá-los ao turismo.

Encaminhamos sem anexo, cartas e manifestos com apoio de várias entidades de nossos municípios e regiões, que mostram a realidade que estamos vivendo.

Certos de sua sensibilidade e compreensão, agradecemos antecipadamente e renovamos protestos de estima e consideração.

Assinam essa carta:

Álvaro Costa, Secretário de Turismo de Gonçalves; Ana Paula Odoni, Secretária de Turismo de Extrema; Betânia Resende, Assessora de Turismo do IGR Trilha dos Inconfidentes; Bruno Alves da Rosa, Secretário de Turismo de Camanducaia (Monte Verde); Christian Silveira, Secretário de Turismo de Tiradentes; Clodoaldo Costa, Gestor do IGR Serras Verdes do Sul de Minas; Filipe Condé Alves, Secretário de Turismo e Cultura de Caxambu e Presidente Circuito Turístico das Águas; Gustavo Toledo, Secretário de Turismo de Capitólio; Joana Coelho, Secretária de Turismo de Santa Luzia; Kleyber Silveira, Gestor do IGR Nascentes da Gerais e Canastra; Luan Fernando de Oliveira, Chefe do Setor de Turismo e Cultura de Prados; Marcelo Tibaes, Secretário de Cultura, Turismo e Patrimônio de Serro; Marcia Betânia Oliveira Horta, Secretária de Cultura, Turismo e Patrimônio de Diamantina; Marcus Fróis, Secretário de Turismo de São João Del Rey; Marcus Januário, Presidente da Fecitur – Federação dos Circuitos Turísticos de Minas Gerais e Gestor – IGR Trilha dos Inconfidentes; Ricardo Fonseca Oliveira, Secretário de Turismo de Poços de Caldas; Rodrigo Câmara, Secretário de Turismo, Industria e Comércio de Ouro Preto; Roseliy Moraes, Presidente do IGR Serras Verdes do Sul de Minas; Sérgio de Paula, Secretário de Turismo de São José da Lapa; e Vera Vaz, Secretária de Turismo de São Lourenço.”

Foto: Pixabay

Confira outras matérias sobre turismo aqui.

Mais Notícias