Conheça a Lei da Pureza alemã

Albanos | 02/04/2021

cervejaria albanos

Todo mundo quer uma boa cerveja, com qualidade de primeira e com os processos bem executados, certo? Em muitas cervejarias isso é pré-requisito, para diversas pessoas é essencial e na Alemanha isso já foi até lei!

Sim, a tradição cervejeira no país é tão forte que no século XVI foi criada a Lei da Pureza da Cerveja (ou Reinheitsgebot, como eles dizem por lá). A partir dela, foram definidas algumas questões como os ingredientes permitidos na fabricação. Só poderiam ser usados água, malte, lúpulo e cevada. 

Originalmente, a lei era aplicada na região da Baviera. Mas, com a unificação de territórios e a formação de uma só nação, a Lei da Pureza da Cerveja passou a valer em toda a Alemanha. 

O principal motivo da criação da Lei é que, antes da regulamentação, era usado o gruit, uma antiga mistura de ervas usadas para dar amargor e aroma à cerveja. O problema é que muitas dessas ervas eram tóxicas e até alucinógenas. Além disso, não havia muito cuidado na preparação e até fuligem e cal eram comumente encontrados na bebida.

Diante dessa situação, o príncipe Guilherme IV resolveu regularizar tudo. Desde a produção até a venda, criando a lei no dia de São Jorge, 23 de abril, do ano de 1516. 

Além de levar mais pureza para a bebida favorita, a Lei resolveu um problema econômico e também um político da época. Algumas cervejarias usavam aveia, centeio e trigo na fabricação o que fazia com que o preço desses grãos ficasse elevado, impactando diretamente na produção de pães. Ou seja, com a Lei em vigor, os cereais eram utilizados apenas para a população se alimentar.

Além disso, como o gruit era produzido e comercializado exclusivamente pelos mosteiros, com a mudança parte do poder da Igreja Católica foi retirado. Isso sem falar que também ficou mais fácil fiscalizar e tributar a cerveja.

São cinco séculos em que as cervejas alemãs não contam com qualquer aditivo, como estabilizante ou corante. Apenas em um curto período em que a Alemanha entrou na União Europeia e teve que reformular seu código tributário, em 1993, é que a lei deixou de estar em vigor.

Uma curiosidade é que, quando a lei foi instituída, também ficou definido um valor acessível à bebida. A Lei propunha que do dia de São Miguel (29 de setembro) ao dia de São Jorge (23 de abril), o preço para um litro ou um copo de cerveja, não poderia exceder o valor de Munique do pfennig, caso contrário os barris eram confiscados. Dessa forma, a precificação era controlada.

Legal né? E se você está procurando por cervejas artesanais com preços justos, é possível encontrar vários deliverys de cervejarias em Belo Horizonte, por exemplo, tanto em aplicativos de entrega quanto diretamente com as cervejarias. Algumas oferecem até a opção de growler, permitindo levar mais cerveja que as tradicionais garrafas e latas. 

Afinal, quanto mais cerveja melhor! Cheers!

Foto: Thiago Henrique

Confira outros textos da coluna Albanos (AQUI)