44º Artigo de Martins Peralva

Da Redação | 22/09/2021

martins_peralva

O Cidade Conecta preparou lançamentos, periódicos, de artigos do escritor, expositor e articulista José Martins Peralva Sobrinho, ou simplesmente Martins Peralva, como era conhecido. Ele, que foi um dos grandes representantes do movimento espírita no Brasil, escreveu os seguintes livros: “Estudando a mediunidade”, “Estudando o Evangelho”, “O Pensamento de Emmanuel”, “Mediunidade e evolução”, editados pela Federação Espírita Brasileira (FEB), e “Mensageiros do bem”, editado pela UEM.

Os artigos publicados fazem parte do livro “Evangelho puro, puro Evangelho – Na direção do Infinito”. Trata-se uma coletânea de textos disponibilizados nos jornais “O Luzeiro”, periódico de sua terra natal, Sergipe, “Síntese” e “Estado de Minas”, ambos de Minas Gerais, e na revista “Reformador” da FEB. Geraldo Lemos Neto, responsável pelo Vinha de Luz — Serviço Editorial, foi quem coletou o material com a família Peralva, para que a comunidade espírita tivesse a oportunidade de conhecer mais de perto Martins Peralva.

A tríplice unidade

Setembro | 1960

“Se uma casa estiver dividida contra si mesma, tal casa não poderá subsistir.” — Jesus

Assevera antigo ditado que “a união faz a força”. E nós acrescentamos: a força, organizada e consciente, garante a indivisibilidade.

Essa compreensão faz com que se verifiquem, em toda a parte, empreendimentos organizativos, unificadores, tendentes a assegurarem o fortalecimento, a continuidade, a pujança das instituições.

No plano físico, a solidariedade, o coletivismo, os interesses em comum levam os homens ao esforço de unificação de suas atividades, com vistas à colheita dos melhores frutos. Unificam-se os componentes da família, na boa vontade e no trabalho, para que haja pão para o estômago, vestuário para o corpo, luz para o espírito eterno.

A reivindicação de direitos, na vida social, decorre, via de regra, de movimentos acordes, uníssonos, sobressaindo-se, nesses tentames, o congraçamento, a solidariedade. Contudo, não é somente no domínio das atividades terrestres que se evidencia, que se manifesta, que se impõe, indisfarçável, a necessidade do entendimento, da concórdia. Na esfera espiritual, no “mundo da verdade”, idêntico fenômeno se verifica, revelando o sentido gregário de encarnados e desencarnados.
Nos planos mais altos, reúnem-se valorosas entidades, ricas em conhecimento e bondade, com a sublimada missão de inspirarem os homens para que possam colocar a Terra em posição condigna, apropriada à sua destinação gloriosa. Nas regiões espirituais mais ligadas à crosta terrena, devotados servidores do bem — samaritanos da fraternidade — organizam núcleos educativos, com programas definidos de amparo aos que chegam da Terra, sem rumo, cristalizados no orgulho e na ambição, na perversidade e no ódio.

Há, enfim, em toda a parte, aqui e alhures, um sentido de organização, um pensamento unificativo, uma preocupação de metodizar, de vivificar, dinamizar, construir. O objetivo é de congregar, pela certeza de que o “reino” unificado e a “casa” que se não divide sobreviverão, um e outra, a todos os embates.

Uma família, uma instituição, uma doutrina, enfim, que se unifica, que se irmana, que se estrutura, que se uniformiza, tem assegurados, sem dúvida, o aperfeiçoamento e o progresso. O Espiritismo é um movimento de natureza essencialmente espiritual, embora influencie, embora atue, beneficamente, junto aos problemas de ordem material, cristianizando-lhes as soluções. Estudando as relações entre o mundo invisível e visível, dele fazem parte vivos e mortos, encarnados e desencarnados. Criaturas de todos os níveis evolutivos, de todos os graus de entendimento, das mais variadas compreensões, empunham, cheias de boa vontade e esperança, a sua bandeira de renovação espiritual: TRABALHO — SOLIDARIEDADE — TOLERÂNCIA.

Nos templos de oração e trabalho do Espiritismo, reúnem-se, em número avultado, companheiros egressos das mais diversas crenças e religiões, doutrinas e filosofias, muitos deles ainda apegados a superstições e hábitos remanescentes de remotas e consecutivas experiências reencarnatórias. Suas práticas e tendências, inclinações e desejos, em que pese à boa intenção de alguns deles, caem, por vezes, em flagrante desacordo, ético e doutrinário, com o “novo ideal”, exuberante de simplicidade e beleza, a que se acolhem presentemente: o ideal espírita-cristão.

Não é com facilidade que tais companheiros assimilam a essência doutrinária do Espiritismo, isenta de rituais, desprovida de materialidade. Não é com facilidade que adquirem convicção e firmeza. Nem o Espiritismo nunca exigiu, não exige, de quem quer que seja, adesão extemporânea, superficial, momentânea.

A Doutrina Espírita, iluminada pelos clarões do Evangelho, aí está, perene e eterna, para todos, informando, esclarecendo, orientando, regenerando, deixando-nos, contudo, a liberdade de lhe aceitarmos ou não o caminho renovador. Se alguns de nós adotaram-na pela lógica e limpidez de seus postulados, muitos a procuram enganados, mal-informados, na ilusória esperança de que venha a ser ela um recurso fácil para fácil obtenção de vantagens transitórias.

A Doutrina sabe que onde estiver o tesouro do homem lá estará o seu coração, conforme asseverou o Mestre. Os espíritas convictos devem realizar com amor a tarefa de preservação de sua unidade. A fim de que a marcha do Espiritismo não sofra embaraço, retardamento, para subsistir no infinito tempo e nos mistérios da eternidade, ele, o Espiritismo, não se deve fragmentar, fracionar-se, dividir. À vacilação e inconstância dos indecisos havemos de contrapor a firmeza, o idealismo dos convictos. A segurança dos segundos conduzirá os primeiros à meta libertadora.

Assim como o “reino” e a “casa” que se dividem não podem subsistir, a Doutrina deve conservar sua coesão doutrinária, ética, administrativa. Deve permanecer íntegra, isenta de interpolações e mesclas para que se possa prosseguir, com o concurso dos homens e dos espíritos, no seu divino papel de consoladora das almas e libertadora das consciências.
Sendo, como se vê, um movimento essencialmente espiritual, de indiscutíveis e benéficos reflexos morais na vida das criaturas, tendente, inclusive, a irradiar-se na Terra inteira, segundo a promessa de Jesus, impõe-se a sua unidade, a sua tríplice unidade, a fim de que, como Doutrina de cunho universal, cumpra, no tempo e no espaço, seus elevados objetivos.

Unidade direcional, doutrinária, fraternal. Unidade de orientação, amorosa e justa, benevolente e sábia, como a própria orientação do Cristo, para que os naturais e compreensivos fenômenos, que acompanham a expansão mal dirigida, não lhe sejam nocivos ao desenvolvimento. Unidade doutrinária, que lhe assegure, que lhe preserve a coesão das linhas mestras, a simplicidade dos princípios, a substância cristã de que se nutre. Unidade afetiva, de sentimentos, que contribua para que os espíritas do mundo inteiro, vinculados pelo coração, sejam uma só família — unida, indissolúvel, solidária — cooperando, pela caridade, para o advento da legítima fraternidade entre os homens.

______________
Fonte: PERALVA SOBRINHO, José Martins; PERALVA, Basílio (Org.). Evangelho puro, puro Evangelho – Na direção do Infinito. Belo Horizonte: Vinha de Luz Editora, 2009. p. 134-137.
Nota da Editora: Reformador, setembro de 1960. p. 5-6. Reformador é uma revista de divulgação da Doutrina Espírita, editada mensalmente pela Federação Espírita Brasileira (FEB). É uma das mais antigas publicações de seu gênero, em circulação no Brasil (desde 1883, no formato original de jornal). Com a fundação da FEB, em 1884, o periódico foi por ela incorporado, passando a ser o seu principal órgão de divulgação, voltado para a difusão de artigos doutrinários, fatos e trabalhos desenvolvidos pela entidade, assim como pelas entidades afiliadas em todo o país. In: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Reformador>. Acesso em: 12 nov 2009.

Confira outros textos (AQUI)